BEM VINDOS AO MEU CANTINHO ESPECIAL. AQUI VOCÊ ENCONTRARÁ SENTIMENTOS QUE TRANSPIRAM DA MINHA ALMA E SE TORNAM POESIAS. É COM ELAS QUE CONVERSO COM O MUNDO... " ONDE O SONHAR É ETERNO, A ESPERANÇA ESTÁ SEMPRE VIVA E O AMOR SE FAZ PRESENTE EM CADA PALAVRA."





quinta-feira, 31 de março de 2011

É PROIBIDO


“É proibido chorar sem aprender,
Levantar um dia sem saber o que fazer
Ter medo de suas lembranças.
É proibido não rir dos problemas,
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,
Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau - humor.
É proibido deixar os amigos
Não tentar compreender o que viveu juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingirem que elas não te importam,
Ser gentil só para que se lembre de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,
Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,
Esquecer seus olhos, seu sorriso,
só porque seus caminhos se desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas deles valem mais que a sua,
Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,
Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,
Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual"
Pablo Neruda

quarta-feira, 30 de março de 2011

MEUS OLHOS

Além dos meus olhos
existe um ver essencial,
onde consigo enxergar
sua imagem sempre real.

Lucia Liz

domingo, 27 de março de 2011

COMO BRISA VOU ATÉ VOCÊ

Visto-me de brisa,
e em noite escura vou até você,
caminho lentamente,
sem desviar da direção.
Sigo os teus sonhos,
e neles deposito minha emoção.
Faço-te companhia,
e deixo-te provar da minha paixão.
Alimento-me dos teus beijos,
e sacio-me nos teus desejos.
Sou brisa suave,
transformada em carícias.
E dessa comunhão extasiante,
Aqueço o e meu coração...

Lucia Liz




CONQUISTA

Conquista

Livre não sou, que nem a própria vida
Mo consente.
Mas a minha aguerrida
Teimosia
É quebrar dia a dia
Um grilhão da corrente.

Livre não sou, mas quero a liberdade.
Trago-a dentro de mim como um destino.
E vão lá desdizer o sonho do menino
Que se afogou e flutua
Entre nenúfares de serenidade
Depois de ter a lua!

Miguel Torga

terça-feira, 22 de março de 2011

OLHOS TRISTES


Olhos mais tristes ainda do que os meus
são esses olhos com que o olhar me fitas.
Tenho a impressão que vais dizer adeus
este olhar de renúncias infinitas.

Todos os sonhos, que se fazem seus,
tomam logo a expressão de almas aflitas.
E até que, um dia, cegue à mão de Deus,
será o olhar de todas as desditas.

Assim parado a olhar-me, quase extinto,
esse olhar que, de noite, é como o luar,
vem da distância, bêbedo de absinto...

Este olhar, que me enleva e que me assombra,
vive curvado sob o meu olhar
como um cipreste sobre a própria sombra.

Henriqueta Lisboa

domingo, 20 de março de 2011

RUAS DE OUTONO - Ana Carolina

MOMENTOS DE OUTONO

O vento soprando na imensidão,
enquanto folhas secas caem ao chão.
O corpo sente cada mudança,
e tudo torna-se esperança.

A natureza em sua sabedoria,
tenta mostra-nos a direção.
Reconhecer em cada mudança o encanto e a magia,
aquece e alivia o coração.

Outono é o tempo da reflexão,
de lavar a alma das impurezas,
Reinventar a emoção
e recomeçar a vida com certezas.

Lucia Liz


terça-feira, 15 de março de 2011

CORAÇÃO É TERRA QUE NINGUÉM VÊ

Coração é terra que ninguém vê

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Sachei, mondei - nada colhi.
Nasceram espinhos
e nos espinhos me feri.
Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Cavei, plantei.
Na terra ingrata
nada criei.
Semeador da Parábola...
Lancei a boa semente
a gestos largos...
Aves do céu levaram.
Espinhos do chão cobriram.
O resto se perdeu
na terra dura
da ingratidão
Coração é terra que ninguém vê
- diz o ditado.
Plantei, reguei nada deu, não.
Terra de lajedo, de pedregulho,
- teu coração. Bati na porta de um coração.
Bati. Bati. Nada escutei.
Casa vazia. Porta fechada,
foi que encontrei...

Cora Coralina

EPITÁFIO - Titãs

domingo, 13 de março de 2011

BUSCA DE SI

Existe um momento da vida em que é preciso muito mais do que apenas se olhar no espelho, existe o momento de se enveredar nas entranhas do íntimo em busca de si para ordenar e dar continuidade a sua história.

Lucia Liz



 

SUTILMENTE - Skank

A LENDA DO ARCO-ÍRIS


LENDA DO ARCO-ÍRIS
                 Em um reino muito distante, havia uma menininha  sonhadora. Sonhava que tudo era colorido. Vivia acreditando que a vida era maravilhosa. Nascera de  uma noite de desejo do senhor pai e de uma loucura da senhora mãe. De carinho teve a distância, de afeto a ausência, e como aconchego teve o abandono. Ah! Mas isto não a fazia desistir de crer nas cores da vida. Imaginava que todos os homens fossem “grandes homens”, por isso casou-se. Aquele que seria seu companheiro, foi apenas um algoz (”pequeno homem “), dos que já haviam passado  deixando marcas em seu viver. Como algoz quis tirar-lhe o bem maior; seus filhos. Esperança (que era seu nome) viu as cores fugir-lhe dos olhos, a vida parecia uma noite sem estrelas. Tinha sonhado uma família e agora, que estava desfeita a mesma, era eminente o suave beijo da morte, perder aqueles filhos tinham este significado  para ela. O tempo passou como sempre passa. Esperança chegou a um momento de tranqüilidade e de conquistas, pois naquele reino, depois de muito insistir, foi lhe dado o direito de continuar sendo mãe.  Mesmo assim, vê agora seu reino com outro olhar, passa pelos vários espaços do seu mundo e encontra muita dor aonde anda. Suas lágrimas caem sempre, por ver o quanto aquele reino maltrata os seus, a fé no amor a si mesmo e aos outros anda muito abalado. Esperança já quase não sonha mais. Um dia então, muito exausta, Esperança não acorda mais pra vida. Este dia chove como se a chuva fosse lágrimas. Os céus parecem lamentar a triste ida de alguém que sonhou. O Deus Sereno (que era o deus do reino), vendo que a lembrança de esperança não podia apagar-se, resolveu homenageá-la. Ordenou que toda lágrima que caísse e toda água que chovesse e toda gota a movimentar-se na luz seria água de muitas cores. É a partir daí, que as águas que se movimentam na luz passam a gerar um lindo arco-íris, lembrando da menina sonhadora que adorava ver cores no mundo, chamada Esperança. Para que ninguém a deixe morrer, e que ela seja sempre presente, mesmo nos momentos de muita tristeza da alma, que ela esteja lá: a renovar-se, a propor um novo dia cheio de fé, surge o ARCO-ÍRIS.
Mirian Aires Chaves

sexta-feira, 11 de março de 2011

A TEMPESTADE

Pássaro e o homem tem essências diferentes.
O homem vive à sombra de leis e tradições por ele inventadas;
o pássaro vive segundo a lei universal que faz girar os mundos.
Acreditar é uma coisa; viver conforme o que se acredita é outra.
Muitos falam como o mar, mas vivem como os pântanos.
Muitos levantam a cabeça acima dos montes;
mas sua alma jaz nas trevas das cavernas.
A civilização é uma arvore idosa e carcomida,
cujas flores são a cobiça e o engano e cujas frutas
são a infelicidade e o desassossego.
Deus criou os corpos para serem os templos das almas.
Devemos cuidar desses templos para que sejam
dignos da divindade que neles mora.
Procurei a solidão para fugir dos homens, de suas leis,
de suas tradições e de seu barulho.
Os endinheirados pensam que o sol e a lua e as estrelas se levantam
dos seus cofres e se deitam nos seus bolsos.
Os políticos enchem os olhos dos povos com poeira
dourada e seus ouvidos com falsas promessas.
Os sacerdotes aconselham os outros,
mas não aconselham a si mesmos,
e exigem dos outros o que não exigem de si mesmos.
Vã é a civilização. E tudo o que está nela é vão.
As descobertas e invenções nada são senão brinquedos
com a mente se diverte no seu tédio.
Cortar as distâncias, nivelar as montanhas,
vencer os mares, tudo isso não passa de
aparências enganadoras, que não alimentam ocoração e nem elevam a alma.
Quanto a esses quebra-cabeças, chamados ciências e artes,
nada são senão cadeias douradas com os quais o homem
se acorrenta, deslumbrados com seu brilho e tilintar.
São os fios da tela que o homem tece desde o inicio
do tempo sem saber que, quando terminar sua obra,
terá construído a prisão dentro da qual ficará preso.
Uma coisa só merece nosso amor e nossa dedicação, uma coisa só...
É o despertar de algo no fundo dos fundos da alma.
Quem o sente não o pode expressar em palavras.
E quem não o sente, não poderá nunca conhecê-lo através de palavras.
Faço votos para que aprendas a amar as tempestades em vez de fugir delas.

Gibran Khalil Gibran (1883-1931)

ENTREGA


Praia deserta,
areia quente,
sentida doação,
de amor expoente...

Lucia Liz

quinta-feira, 10 de março de 2011

SUMMER WINE - Ville Valo and Natalia Avelon

UMA NOVA CHANCE


Hoje decidi gritar e ao mundo a dor proclamar,
Lavar a alma de tudo que a faz mal.
Ser humana e me permitir chorar,
Antes que a tristeza me impeça de sonhar.

Deixar que todos percebam que o sofrimento também me corrói,
E que por mais que eu mostre uma face sorridente,
O coração machucado se  contorce e dói,
Não adianta mentir, pois é isso que ele sente.

Ao gritar quero a tristeza para longe expelir,
Aliviar o corpo desse enorme pesar,
Depois de purificada, novamente sorrir,
Um novo destino tentar encontrar.

Quero ouvir as batidas no peito em sintonia,
Caminhar livremente sem nenhuma preocupação.
Voltar a acreditar na magia,
Que emana de cada nova emoção.

Enxergar o colorido de cada dia,
Sentir o prazer em cada amanhecer,
Quebrar os grilhões, assinar minha euforia,
Levantar e uma nova chance poder ter.

Quero olhar no espelho e ver,
A imagem de alguém que realmente existe.
Vasculhar o fundo dos olhos e perceber,
Que a felicidade mora lá e nada mais é triste.

Lucia Liz



quarta-feira, 9 de março de 2011

terça-feira, 8 de março de 2011

NÃO SEJA UMA MENTIRA


Uma coisa que me deixa triste é descobrir facetas do mal no ser humano, facetas que não deveriam existir. É decepcionante descobrir o quão baixo um ser humano pode ser...A mentira é um defeito terrível, principalmente quando visa conseguir algo, enganar, usar, etc. Não seria muito mais fácil usar a verdade, dizer o que quer, o que pensa, ser realmente o que é...Ninguém precisa usar de subterfúgio para viver. Acho que todos deveriam pensar em sempre serem dignos de si mesmo, pois ser quem não é de verdade pode causar danos irreparáveis. Pode se até enganar uma, duas, dez, mil pessoas, mas não se engana a si próprio e um dia podes ter que ser você mesmo e por não ter feito bom uso da verdade acabe não sabendo mais quem você é...Tão bom seria se pudessemos conviver com todos, sabendo sempre com quem...Pode ser quem um dia não tenha tempo para realmente ser quem você...Afinal nunca se sabe quando é hora de embarcar no trem da vida....Lucia

CORAÇÃO FLORIDO

Carinhos refrescaram-no
como chuva suave,
e como o calor do sol
aqueci teu corpo.
Com o toque
das minhas mãos
cuidei-te e
com meu amor
flori teu coração...

Lucia Liz

PERMITA-ME



Permita que eu feche os meus olhos, pois é muito longe e tão tarde!
Pensei que era apenas demora, e cantando pus-me a esperar-te. Permita que agora emudeça: que me conforme em ser sozinha.
Há uma doce luz no silencio, e a dor é de origem divina.
Permita que eu volte o meu rosto para um céu maior que este mundo, e aprenda a ser dócil no sonho como as estrelas no seu rumo.

                                         Cecilia Meireles

QUISERA SER EU

Quisera ter a coragem de gritar ao mundo,
E toda a angustia sentida assim libertar.
Deixar que as palavras saíssem lá do fundo,
Curando a alma até cicatrizar.

Quisera ter nas mãos o poder de lutar,
Sair deste casulo que ofusca a visão.
Abrir os olhos e voltar a enxergar,
O colorido da vida que faz pulsar o coração.

Quisera poder tocar-te suavemente,
E com esse gesto vê-lo sorrir.
Sussurrar-lhe ao ouvido docemente,
Palavras que só você seja capaz de ouvir.

Quisera ser teu anjo guardião,
E teu caminho sempre iluminar.
Como a mais brilhante estrela da constelação,
Ser tua guia e protegendo teu caminhar.

Quisera perder o medo e assumir esse amor,
Aprisionado nas minhas entranhas como réu.
Deixá-lo livre para se tornar mais uma cor,
E juntar-se ao arco-íris que colore o céu.

Lucia Liz

segunda-feira, 7 de março de 2011

A SAUDADE DE CADA UM

Saudade é uma palavra conhecida em galego e português e é muito usada em músicas e poesias. Representa um sentimento de perda, de distancia e de amor...Só sente saudade quem tem alguém na memória, alguém de quem sente falta, alguém que gostaria de ter próximo. A saudade machuca o peito e dependendo da intensidade faz sangrar o coração...Quem um dia não sentiu saudade?

Saudade

Nas horas mortas da noite
Como é doce o meditar
Quando as estrelas cintilam
Nas ondas quietas do mar;
Quando a lua majestosa
Surgindo linda e formosa,
Como donzela vaidosa
Nas águas se vai mirar!

Nessas horas de silêncio
De tristezas e de amor,
Eu gosto de ouvir ao longe,
Cheio de mágoa e de dor,
O sino do campanário
Que fala tão solitário
Com esse som mortuário
Que nos enche de pavor.

Então — Proscrito e sozinho —
Eu solto aos ecos da serra
Suspiros dessa saudade
Que no meu peito se encerra
Esses prantos de amargores
São prantos cheios de dores:
— Saudades — Dos meus amores
— Saudades — Da minha terra!


Casimiro de Abreu

ENQUANTO HOUVER SAUDADE - Alcione

domingo, 6 de março de 2011

ANSIEDADE

Conto os dias para te encontrar,
E sonho com tudo que há de vir.
Como presente por desembrulhar,
Mas tendo que esperar à hora certa de abrir.

Sou sorriso colorido de menina,
Num corpo de mulher apaixonada.
Hoje todo momento me anima,
Minha paixão é declarada.

O depois não importa,
A ansiedade de te ver me conforta.
Com sua imagem sempre na minha mente,
Vivo cada dia contente.

Logo aqui você estará,
E nossos desejos se concretizarão.
A saudade se dissipará,
E seu calor aquecerá meu coração.

Lucia Liz

SEM VOCÊ - A Pequena Sereia

sábado, 5 de março de 2011

* ALÉM DO ARCO-ÍRIS * - Luiza Possi

UM POEMA DE CORA CORALINA

NÃO SEI...
Não sei... se a vida é curta...Não sei...
Não sei...
se a vida é curta
ou longa demais para nós.
Mas sei que nada do que vivemos
tem sentido,
se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser:
colo que acolhe,
braço que envolve,
palavra que conforta,
silêncio que respeita,
alegria que contagia,
lágrima que corre,
olhar que sacia,
amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo:
é o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
não seja nem curta,
nem longa demais,
mas que seja intensa,
verdadeira e pura...
enquanto durar.

Cora Coralina

sexta-feira, 4 de março de 2011

ATRAVÉS DA JANELA

Olho através da vidraça,
e por ela a vida passar.
O vento balançando as árvores com graça,
e o sol as esquentar.

Vejo pássaros voando no céu
e borboletas no jardim a plainar.
Cigarras cantarolando ao léu,
 eu aqui só a pensar.

Pessoas caminhando na rua,
apressadas e sem se importar.
Meu pensamento na lua,
esperando a noite chegar.

Em cada noite um sonho diferente,
paralelamente crio meu mundo.
Não sou triste, nem contente,
apenas os desejos confundo.

Ao amanhecer apenas a janela vejo,
e nela um mundo que não existe.
Meu mundo está nos sonhos que almejo,
e nele nada é triste.

Lucia Liz

quinta-feira, 3 de março de 2011

ALMA DESPIDA

Quando a alma se despe dos infortúnios,
Torna-se essência iluminada.
Desmaterializa se das marcas sofridas,
E sai ao encontro da vida.

Inspira e expira o tempo devagar,
E sem qualquer tipo de sofreguidão,
Equilibra se com a razão,
Mas não se distancia da emoção.

Veste-se do sereno da noite,
Apropria-se do brilho do dia,
Sedenta de histórias de amor,
Apodera-se da beleza da poesia.

Lucia Liz

TEMPO


"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas
que já tem a forma do nosso corpo;
E esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares.
É o tempo da travessia...
E se não ousarmos fazê-la,
Teremos ficado, para sempre,
à margem de nós mesmos."

Fernando Pessoa

CÓDIGO DE ÉTICA DOS INDIOS NORTE-AMERICANOS

"Levante com o sol. Reze sozinho. O Grande Espírito só escutará, se você falar.
Seja tolerante com os que estão perdidos em seus caminhos. Ignorância, preconceito e aborrecimento, formam uma... alma perdida. Reze para que achem um guia. Se procura, procure por si próprio. Não permita que outros percorram o caminho por você. É sua estrada, e somente sua. Outros poderão caminhar com você, mas ninguém poderá caminhar por você.
Trate visitas em sua casa com muita consideração. Sirva-lhes a melhor comida, dê-lhes a melhor cama e trate-os com respeito e honra. Não tire o que não é seu de uma pessoa, da comunidade, da natureza ou de uma cultura. Não foi merecido nem dado. Não é seu. Respeite todas as coisas sobre a terra - sendo pessoas, animais ou plantas.
Respeite os pensamentos, desejos e palavras dos outros. Nunca interrompa nem zombe ou faça mímicas rudes deles. Permita que todos se expressem livremente. Nunca fale mal dos outros. A energia negativa que você põe no universo se multiplicará quando voltar para você. Todas as pessoas cometem erros. E todos os erros podem ser perdoados.
Maus pensamentos causam doença da mente, corpo e espírito. Pratique otimismo. Natureza não é PARA nós, é uma PARTE de nós. Ela é parte da sua família mundial. Crianças são as sementes do futuro. Plante amor no coração delas e regue com sabedoria e lições de vida. Quando estiverem crescendo, dê-lhes espaço para crescer. Evite machucar corações alheios. O veneno de sua dor retornará para você.
Sempre seja verdadeiro. Honestidade é o teste da própria vontade neste universo. Mantenha seu equilíbrio. Sua auto-vontade, auto-espiritualidade, auto-emoção e auto-estima necessitam estar fortes, puras e saudáveis. Trabalhe o corpo para fortalecer a mente.
Cresça rico de espírito para curar males emocionais. Faça decisões conscientes de quem você quer ser e como reagirá. Seja responsável por seus atos.
Respeite a privacidade e espaço pessoal dos outros. Não toque na propriedade particular dos outros - especialmente objetos pessoais e religiosos. Isso é proibido. Seja verdadeiro consigo mesmo. Você não poderá ajudar aos outros se não se ajudar primeiro.
Respeite as crenças religiosas dos outros. Não force sua crença religiosa aos demais. Compartilhe seu bem estar com os outros. Participe com seu amor ao próximo."

quarta-feira, 2 de março de 2011

QUANDO OS ANJOS CAEM

Lágrimas representam a tristeza de uma magia perdida, a magia da amizade, da beleza, da simplicidade, da partilha de bons momentos. Que pena que o ser humano tenha perdido o dom da troca de gentilezas, de respeito e de amor. A vida é tão curta para que seja perdida com banalidades, maldades, injustiças e outras questões inúteis. Deveríamos partilhar sorrisos, boas conversas, melodias, poesias, abraços e felicidade. Aprender a olhar o outro com carinho e desejar lhe tudo aquilo que queremos para nós. Pois somos inquilinos da mãe Terra e sem hora marcada para partir, assim deveríamos usar nosso tempo em prol da nossa felicidade e por consequência do nosso semelhante. Assim como a água serve para limpar, a lágrima lava a alma e umidece o coração, e amanhã será um outro dia, o amanhecer será lindo e a lágrima de hoje a marca de que sempre há um outro dia e com arco-íris. A tristeza tem prazo de validade e quem causa tristeza no final também fica triste. Então...Sejamos felizes nos momentos que nos são permitidos...E que a magia da vida sempre tenha força para renascer...Eu acredito na magia de viver e mesmo tendo deixado de acreditar em algumas coisas...ainda acredito em mim e no seu verdadeiro eu...Choro, mas sei sorrir...Fico triste, mas sei ser feliz...Fico brava, mas sei ser meiga...Sou desconfiada, mas sei acreditar...As vezes me escondo, mas sei te encontrar...Você pode até me mostrar o horror do seu externo, mas eu sei ver a beleza do teu interior...Sou Lucia

MIA COUTO

"Eu seria uma pessoa pobre se não fosse
 capaz de produzir histórias,
 de fazer da minha própria vida
 uma narrativa que posso emendar,
 apagar e enfeitar."

 Mia Couto

Mia Couto é considerado um dos escritores mais importantes de Moçambique, é o escritor moçambicano mais traduzido. Em muitas das suas obras, Mia Couto tenta recriar a língua portuguesa com uma influência moçambicana, utilizando o léxico de várias regiões do país e produzindo um novo modelo de narrativa africana.

TRILHA DA VIDA

Numa trilha de pedras verde sempre caminhei,
Em muitos momentos flores encontrei,
Mas em outros, nos espinhos me machuquei.
Senti o calor do sol aquecendo meu caminhar,
E muitas vezes no frio andei sem me agasalhar.
Conheci a escuridão da noite sem o luar,
Fui testemunha do brilho das estrelas no espetáculo do bailar.
Senti aromas diferentes insistindo em me agradar,
Fui feliz em alguns momentos e sorri sem parar,
Mas muitas vezes chorei até desanimar.
Desviei da trilha, me perdi e voltei a encontrar,
Sentei na beira do caminho para descansar.
Fiz projetos, investi e me pus a trabalhar.
Acertei o passo para muitos alcançar,
Muitas vezes errei e precisei recomeçar.
Sonhei muito, mas não fui capaz de tudo realizar.
Troquei as cores da trilha para que pudessem me enxergar,
Outras vezes me tornei transparente tentando me ocultar.
Aprendi que é preciso sempre se reinventar,
E que em cada trilha somos nós a ladrilhar.
Por pior que esteja a estrada sempre se pode consertar,
Não estamos sozinhos, com outras mãos podemos contar.
E que na trilha só fica quem sabe o amor compartilhar.

Lucia Liz

terça-feira, 1 de março de 2011

FOREVER AT YOUR MERCY - Ashram

É PRECISO APRENDER A OLHAR - Cecilia Meireles

"Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela,
uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas,
e outros, finalmente,
que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim".

Cecilia Meireles

O AMOR

Trago algo em meus olhos que somente você pode achar,
Um brilho maior que as estrelas numa noite de luar.
Mergulhe no infinito dos meus sentimentos e irá encontrar,
Toda a magia de alguém que só nasceu para te amar.

Sou como rosa desperta num jardim a lhe esperar,
Tal como borboleta sempre pronta a voar,
Sou a brisa suave ao teu corpo encostar,
E como impulso repentino um desejo instigar.

Não peço nada mais do que eu possa lhe dar,
Quero apenas ao seu lado sempre caminhar.
E mesmo sob fortes ventos poder junto atravessar,
Ser sua estrela e na escuridão iluminar.

Tudo isso você encontra no fundo do meu olhar,
Não existem palavras certas que possam expressar,
A magnitude de uma alma ao se apaixonar,
Leia meus olhos e venha ao meu lado ficar.

Lucia Liz