BEM VINDOS AO MEU CANTINHO ESPECIAL. AQUI VOCÊ ENCONTRARÁ SENTIMENTOS QUE TRANSPIRAM DA MINHA ALMA E SE TORNAM POESIAS. É COM ELAS QUE CONVERSO COM O MUNDO... " ONDE O SONHAR É ETERNO, A ESPERANÇA ESTÁ SEMPRE VIVA E O AMOR SE FAZ PRESENTE EM CADA PALAVRA."





sábado, 24 de dezembro de 2011

ABRE O CORAÇÃO


Feliz Natal pra você e para todos que o rodeiam...Que o maior pesente seja o amor, a saúde, a paz e a união todos os dias de sua vida. Que a felicidade esteja sempre na palma da tuas mãos para que possa ser compartilhada em todos os momentos...

Beijos
Lucia

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

SALMO 23


O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta.
Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranqüilas;
restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome.
Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me protegem.
Preparas um banquete para mim à vista dos meus inimigos. Tu me honras, ungindo a minha cabeça com óleo e fazendo transbordar o meu cálice.
Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias da minha vida, e voltarei à casa do Senhor enquanto eu viver.

domingo, 18 de dezembro de 2011

DOIS RIOS - Skank

MÃO QUE FALAM



Mãos que falam e
olhos que escutam
num universo sem som.

Na dança gestual
embalo de um coração
que pulsa em silêncio.

Olhos fechados que ouvem
o tilintar do vento
ecoando como canção.

Mãos que dizem do amor
no toque de um maestro
regendo a sinfonia.

Lingua que traduz alegria
de quem não pode ouvir
mas pode ver e sentir.

Lucia

Obs: As mãos falam por quem não pode falar e ouvir...
LIBRAS - Língua Brasileira de sinais


domingo, 11 de dezembro de 2011

WHEN YOU SAY NOTHING AT ALL


NATAL


Que neste Natal e em todos os dias do ano lembremos dos ensinamentos de Jesus, aplicando-os em nossas vidas. Um Natal de esperança, reflexão, doação, amor, e que Deus possa iluminar e abençoar a todos nós nos propósitos felizes, nos mostrando o melhor caminho. Que possamos retribuir espontaneamente um sorriso, um carinho, um abraço, uma palavra e desejar a todos que encontramos a paz.

Lucia

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

TEMPO


Tempo passou
escorregou pelas mãos,
na imensidão se escondeu
e nem esperou.

Levou consigo sonhos,
esperanças e o amor,
e de longe acenou
confundindo a razão.

Tempo, alma de vilão,
marcou o coração
com a saudade
de uma paixão.

Lucia

RECEITA DE FELICIDADE

domingo, 4 de dezembro de 2011

PARCERIA


Cristina, eu e Roselene- parceiras e amigas no trabalho
Quando se trabalha em equipe tudo dá certo, principalmente quando esta equipe é composta de amigos.

AMANHÃ


Nesse santuário infinito
onde um corpo tem fim,
a vida prossegue como vento
balançando o jardim.

Não tem hora marcada,
nem chance de não vir.
Um dia o vento para
e o jardim se faz ruir.

Somos flores balançando ao vento
despreocupadas e a sorrir.
A vida em nós é presente,
amanhã está por vir...

Lucia

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

SONETO DA SEPARAÇÃO

Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.
Vinicius de Moraes

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

DESABAFO


Finalizando a Pós Graduação em Educação Inclusiva e tendo que dar conta da monografia sobre o tema que escolhi. É assim que me vejo ultimamente...Decabelada, estressada, cansada, atordoada de tato ler e escrever...Mas logo tudo isso termina e sei que sentirei  falta. Afinal foram todos os sábados, durante um ano e meio, viajando de São Bernardo até a USP, assistindo aula o dia todo sem descanso, com muitos trabalhos, livros para ler..etc...Quase uma novela...Apenas um desabafo...rs

terça-feira, 15 de novembro de 2011

CHUVA - Mariza


A chuva tem o poder de fazer brotar sentimentos do peito que outrora adormecidos se enchem de força...

DEVANEIO


Devaneio

Gotas cristalinas que caem do céu
banham meu corpo como num ritual.
De repente deixo cair o escuro véu
e permito me experimentar do manancial.
Os pensamentos flutuam como papel
e minha essência desfruta desse momento celestial.
Todo o cansaço foi jogado ao léu,
sou por instantes nos teus braços frágil cristal.

Lucia

GOSTO QUANDO TE CALAS


Gosto quando te calas

Gosto quando te calas porque estás como ausente,
e me ouves de longe, minha voz não te toca.
Parece que os olhos tivessem de ti voado
e parece que um beijo te fechara a boca.
Como todas as coisas estão cheias da minha alma
emerge das coisas, cheia da minha alma.
Borboleta de sonho, pareces com minha alma,
e te pareces com a palavra melancolia.
Gosto de ti quando calas e estás como distante.
E estás como que te queixando, borboleta em arrulho.
E me ouves de longe, e a minha voz não te alcança:
Deixa-me que me cale com o silêncio teu.
Deixa-me que te fale também com o teu silêncio
claro como uma lâmpada, simples como um anel.
És como a noite, calada e constelada.
Teu silêncio é de estrela, tão longinqüo e singelo.
Gosto de ti quando calas porque estás como ausente.
Distante e dolorosa como se tivesses morrido.
Uma palavra então, um sorriso bastam.
E eu estou alegre, alegre de que não seja verdade.
Pablo Neruda

sábado, 12 de novembro de 2011

ILUSÃO


A chuva fina apagou as pegadas
que na madrugada deixaste na estrada.
Levou consigo a direção do meu amor.
Nada restou, nem residuo sobrou
a não ser a dor que em mim ficou.
O vazio que hoje reina em meu coração
se espande e toma conta da imensidão.
Agora podes chover chuva fina e molhar a vastidão,
já não ligo mais, afinal inundaste minha ilusão...

Lucia

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

PELA LUZ DOS OLHOS TEUS




Pela luz dos olhos teus

Quando a luz dos olhos meus
E a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus só p'ra me provocar
Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar
Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar.

Vinícius de Moraes

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

PÁGINA ÍNTIMA


Página Íntima
Não pense, minha flor, que o triste pranto,
Que ora desprende o meu olhar sentido,
Vá magoar o afeto estremecido
Que me inspirou teu virginal encanto.

Se agora eu fujo ao teu olhar querido,
Cheio de luz, de intérmino quebranto,
Eu sinto da alma num pequeno canto
Teu doce amor ao meu amor unido ...

Quebrou-se o fio dos meus sonhos belos
E caíram no manto cetinoso
Dos anéis aromais de teus cabelos.


Guarde em teu seio o meu gentil desejo,
Faz do meu canto um madrigal formoso,
E em cada verso deposita um beijo.

Ana Lima Pimentel

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

COMO FLOR



Como semente nasceu, floresceu e um dia morreu...

Mas deixou sua essência sorrindo em mim...


Lucia

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

SOMEDAY (YOUR EYES) - Yanni

OUÇO PASSOS NA MADRUGADA



Ouço passos na madrugada...
Será que imagino coisas ou simplesmente desenho o destino.
Esse relógio que não anda, parece me perseguir. Triste madrugada,
testemunha desse desatino a me consumir.
Quisera eu deitar a cabeça no travesseiro e lentamente adormecer, sonhar com um amor, mesmo que clandestino, mas com hora para chegar. Ouço passos na madrugada...Mas ninguém nunca chegará...

Lucia

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

ALMA - Madredeus

SILENCIOSAMENTE



Silenciosamente sigo
na estrada marcada
pelos passos do passado.

Não sinto o tempo,
nem vejo o amanhã.
Apenas caminho.

Maquiei o presente
e nele as palavras
não dizem mais nada.

São simples migalhas
que ecoam no vento
sem nada dizer.

Silenciosamente
caminhante
num mundo
sem som.

Lucia

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

MIGALHAS - Simone

REFÚGIO MÁGICO


Dispersa sentada a beira de um tranquilo rio
que corre sem se preocupar com o tempo.
No entorno, uma paisagem colorida que encanta
e no céu pássaros que com seu canto brindam o momento.
 
O dia é de calor e o sol brilha sem cansar,
não me sinto só, a natureza é minha companhia.
Meus olhos fitam o horizonte distante, e eu a imaginar
quanta beleza, impossível não se alegrar com tanta magia.
 
Nesses instantes me recomponho do cansaço do dia-a-dia,
sinto a energia alimentando minha alma como em oração.
O coração pulsa com gratidão e alegria
refeita, já posso voltar e enfrentar qualquer tribulação.
 
Refúgio que devolve a vitalidade e um ser
fazendo o esquecer dos percalços do mundo.
São momentos de incomparável prazer,
corpo e alma num descanso profundo
 
Lucia

NÃO SEI...OU SEI


...nem sempre sei
que gosto tem o mel,
muito menos me preocupo
com a cor do céu...

...mas finjo bem...
assim, aceito o doce fel
e uso o véu
 pintado de anil...

Lucia

 

domingo, 23 de outubro de 2011

VENTO QUE PASSA



Vento que passa em noite fria,
ecoando apenas tristeza e agonia,
não sabe bem para onde vai,
mas sua trilha ruidosa da mente não sai.

Vento que varre do caminho a poeira,
chacoalha a janela sem penar,
tira-me o sono com seu canto triste
e parece no meu pensamento morar.

Sinto no corpo teu gélido respirar
quando a pele como em susto se faz arrepiar.
Vento que precede a o cair em lágrimas
de um céu que parece desmoronar.

Vento companheiro faça-me um favor,
leve consigo minha tristeza e dor.
Dissipa-as na imensidão distante de mim
e não permita que novamente destrua meu jardim.

Junte também os teus murmúrios
para que assim mude seu cantar.
Não ligo se por aqui queira ficar,
mas teu canto triste me faz chorar.

Lucia


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

PASSOS DO PENSAMENTO


Descalça, seus passos na estrada deixou
e na jornada quantas agruras contabilizou,
mas não desanimou, de paciência se vestiu
e de forças se cobriu, seguiu.
No caminho, muitas portas encontrou,
algumas coloridas e outras totalmente sem cor.
Sentiu o gosto do vento,  o sabor da chuva provou,
diante da dor, até recuou, mas foi em frente, queria ser flor.
Nas águas do riacho se banhou, sua alma flutuou
e mesmo sem asas, viajou ao céu sem fim.
Seus passos, a poeira apagou
e hoje é flor num belo jardim...

Lucia

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O TEMPO DE UM AMOR


Na janela vivia
a esperar noite e dia,
tristeza sentia,
mas nada dizia,
apenas sorria.

Todo mundo que passava,
para a janela olhava
e conselhos dava,
mas ela não escutava
e na janela continuava.

O tempo passou,
o cabelo branqueou,
o corpo cansou
e quem ela esperou
nunca voltou.

Hoje a janela está vazia,
a casa ficou sombria,
mas restou a poesia
que em versos leva a magia
de um amor traria.

Lucia


 

terça-feira, 18 de outubro de 2011

DE MÁSCARA


Alma quebrantada
pintada nas cores da solidão,
pericarpo de semente
distante da germinação.

Nos sonhos, a alforria
da triste escravidão.
Liberta impusiona o coração
na correnteza da ilusão.

Lucia
 

domingo, 16 de outubro de 2011

MUNDO DOS INSTANTES




As vezes nos transportamos para o mundo de sonhos, como se algo em nós escapasse para um mundo paralelo, um mundo de faz de conta .




E lá neste mundo vive-se momentos imcompreensíveis. Nossa imaginação viaja com o vento, alcança lugares, prova sabores, sente toques e excita-se com o viver dos instantes.

Lucia

sábado, 15 de outubro de 2011

SINTONIA


Corpo e alma
na mesma sintonia,
Sentimento que acalma
tocando a sinfonia.

Instrumento afinado
por mãos dedilhados.
Encanto partilhado
de um som emanado.

Movimentos sincronizados
numa dança colados.
Corpos saciados
por amores doados.

Lucia

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

ANOITECER ENCANTADO


Acordei com o gosto do teu beijo
que embriaga e me faz querer mais.
Senti o cheiro do teu corpo
que perfuma a pele e me seduz.

Lembrei-me de nossos momentos
e por instantes sai de mim.
Suas carícias me dominam
num excitante jogo de prazer.

Cada anoitecer é encantado,
impossível com palavras descrever.
Só sei que todos os dias amanheço
com mais vontade de você.

Lucia

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

JUNQUILHOS



Nessa tarde mimosa de saudade
Em que eu te vi partir, ó meu amor,
Levaste-me a minh’alma apaixonada
Nas folhas perfumadas duma flor.

E como a alma, dessa florzita,
Que é minha, por ti palpita amante!
Oh alma doce, pequenina e branca,
Conserva o teu perfume estonteante!

Quando fores velha, emurchecida e triste,
Recorda ao meu amor, com teu perfume
A paixão que deixou e qu’inda existe…

Ai, dize-lhe que se lembre dessa tarde,
Que venha aquecer-se ao brando lume
Dos meus olhos que morrem de saudade!

Florbela Espanca

FIX YOU - Coldplay

terça-feira, 11 de outubro de 2011

IMAGINAÇÃO


Entre nuvens de algodão
meu olhar viaja,
tentando te encontrar
e nessa magia que é o sonhar
consigo de leve te tocar.
Um toque que excita
e faz o corpo se agitar,
o coração palpita
pronto para te amar.

Lucia

sábado, 8 de outubro de 2011

SINTONIA POÉTICA


Sinto a sintonia nos versos da poesia
escritos a cada dia como a mais bela sinfonia
que invade o meu sonhar e me faz delirar.

Ouço a tua voz me seduzindo de mansinho
fazendo meu coração pulsar em desalinho
na ansia de te encontar, mas não sabe o caminho.

Compartilho do toque das tuas mãos
que mesmo distante me põe em ebulição
e me faz viver a emoção de amar sem ter razão.

Lucia

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

TODO SENTIMENTO - Oswaldo Montenegro




Todo o Sentimento

Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo da gente.
Preciso conduzir
Um tempo de te amar,
Te amando devagar e urgentemente.
Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez,
Que recolhe todo sentimento
E bota no corpo uma outra vez.
Prometo te querer
Até o amor cair
Doente, doente...
Prefiro, então, partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente.
Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.


quarta-feira, 5 de outubro de 2011

...AMOR...


Lábios que provaram o mel,
olhos que reproduziram o céu.
No corpo a sua assinatura,
e o remédio para minha cura.

Sonho em noite de verão,
e embalo do meu coração.
Segredo para minha alma latente,
amor por momentos ausente.

Guardião das minhas vontades,
és mago da maior felicidade.
Passos do meu caminhar
e motivo do meu cantar.

És o amor que enobrece minha vida,
a aurora de cada dia.
Paixão que explica a existência
na junção de duas essências.

Lucia

terça-feira, 4 de outubro de 2011

COMO TEMPESTADE



Trovões ressoando ao longe,
dragões ávidos no devorar.
Labaredas cruzando o céu escuro,
trilha incandescente difícil de olhar.

Lágrimas cristalinas rompendo o manto,
como cachoeira que desce em pranto
na ânsia de encontrar o grande mar
e todos os pecados então lavar.

Vento uivando triste ao fundo
balbuciando ao tempo seu lamentar.
Chuva gelada, ninfa corcunda
que demora para passar.
 
Lucia

domingo, 2 de outubro de 2011

PARTIDA SEM DESPEDIDA


Partiu e de ninguém se despediu,
levou consigo a cor dos dias vividos.
Como a correnteza de um grande rio
lavou olhos e deixou corações partidos.

Como ler uma história e não ver o final,
poesia inacabada, sem título, sem cor.
Ser personagem de uma trama real
onde o enredo é cruel e de dor.

E de volta ao solo fértil
como pedra, intacto, impotente.
Lágrimas do céu azul anil
escrevendo em tristeza latente.

Lucia

QUASE SEM QUERER - Maria Gadú -

sábado, 1 de outubro de 2011

CODINOME BEIJA-FLOR - Cazuza (ao vivo)

ONDAS



Manto insolente
ofuscando o semblante
do mar que assanha
o êxtase da ninfa.

Desejo que ceva
o brilho da noite
e pinta de prata
as ondas na areia.

Resquícios de amor
que o vento leva
em forma de seiva
pintando o arco de cor.

Lucia

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

SEGREDO


Distante de mim, onde não há fim.
Um sentimento alado, nas asas de um querubim.

Quase transparente em sua alvidez,
viajante capaz da luz das estrelas ofuscar.

Carrega nos lábios o gosto dos meus beijos
e nas mãos macias, o toque que o faz flutuar.

Em sua alma, meu segredo guardou
e no coração, a chave do meu amor trancou.

Passa o tempo tentando apagar
as marcas que em meu corpo o desejo fez deixar.

Sabe que de mim não pode se esconder,
mas também sabe que nunca o poderei encontrar.

Sua presença sinto em meus sonhos mais profundos
e dentro deles, somos únicos nesse mundo.

Acordada, penso na noite que virá
e no sono vivo o instante que posso fantasiar.

Loucura talvez, mas não a troco pela lucidez,
minha essência eu encontro nas noites de mudez.

Lucia

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

terça-feira, 27 de setembro de 2011

MULHER


Embriagada pelo orvalho
que a noite oferecia,
me perdi, peguei um atalho
e de nada mais sabia.

Segui a luz do luar,
e o perfume das flores.
E diante do meu olhar
abriu-se o mundo das cores.

Personagem de magia,
envolvente transformação.
Poção de alegria
clareando a visão.

Pés descalços,
com a terra em comunhão.
Esquecendo os percalços,
com a vida uma nova ligação.

Descobri-me diferente,
entendi a razão.
Fantástico ingrediente,
que impulsionou o coração.


Ainda molhada de suor
nova mulher estou.
O dia amanheceu, faz calor,
minhas querências, o ontem saciou.

Lucia

domingo, 25 de setembro de 2011

APENAS SONHO



Atrás daqueles longínquos montes
onde o sol todo dia se esconde,
mora um ser encantado
que desejo ter ao meu lado.

Sua pele macia e perfumada
tem o gosto do mais doce amor,
seus olhos brilhantes ofuscam
até o brilhos das manhãs.

Tem nas mãos o toque mágico
da mais pura sedução,
seus lábios convidativos
me fazem perder toda razão.

Ninguém o vê e nem o conhece,
só eu sei que ele está lá,
pois a noite nos meus sonhos
ele vem me visitar.

Tem na fala a poesia de um anjo sedutor,
seus versos me embriagam de paixão.
Guardo no peito a esperança
de o ter do meu lado um dia.

Enquanto esse dia não chega
passo as noites a sonhar.
Nos meus sonhos vou plantando
as sementes do verbo amar.

Lucia


sábado, 24 de setembro de 2011

COMO PESADELO


Mar revolto,
navio à deriva.
sonho solto,
esperança perdida.

Ondas gigantes,
nuvens negras.
respiração ofegante,
sensação presa.

Corpo suado,
tempo que existe.
Desejo velado,
em noite que insiste.

Lucia

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

É PRIMAVERA


O gelo derreteu
e o sol se abriu.
No jardim vejo cores
e borboletas nas flores.

No céu um véu azul
com chumaços de algodão.
Nas árvores, passarinho
refazendo ninhos.

Da chaminé, fumaça sai
levada pelo vento que vai.
Ao longe se pode ver
a nova estação aparecer.

Um aroma doce no ar
acalma e traz paz a quem respirar.
No rio, águas transparentes
correm alvas e quentes.

Corações palpitam em canção
no baile onde dança a emoção.
O sorriso agora tem abrigo
na face de outro sorriso amigo.

O dia anda e encanta
como num ritual de paquera.
A brisa do mar alegra canta
para sua hóspede, nobre primavera.

Lucia

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

DESEJO


Na singeleza do anoitecer,
quando a lua se faz prata,
sou como orvalho cristalino
colorindo o âmago do teu ser.

Sob o véu brilhante da noite
sinto a seiva que hidrata,
e nas costas do vento embarco
aromas que o corpo transpira.

E nos desejos secretos da alma
elucidados pelo belo luar.
Escondo na ponta dos dedos
a essência que faz te amar.

Lucia

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

SEDUÇÃO


Nectar que brota da alma,
aroma perfumando a pele.
Mãos sedentas que acalmam
desejos de um coração em chama.

Suspiros que ecoam com a brisa
transpirando a canção do prazer.
Instantes hipnotizados no tempo
com nuances do eterno querer.

Face de menina ruborizada,
colorida com a tinta da paixão.
Mulher aos poucos seduzida
ouvindo as batidas do coração.

Lucia

terça-feira, 20 de setembro de 2011

DEVANEIOS DE MENINA

Nas asas de uma borboleta
embarquei o meu pensar.
Viajando por entre flores
e esqueci de querer voltar.
No mar depositei desejos,
ao ar joguei esperanças.
Pintei de azul o céu,
por momentos virei criança.
Perdi a tristeza na jornada
e do desanimo me escondi.
Da alegria me fiz aliada
e ser feliz decidi.
Imaginei-me menina alada
brincando ao sabor do vento.
O amor provei calada
saboreando cada doce momento.

Lucia

domingo, 18 de setembro de 2011

A MORTE DE UM AMOR


Em lápide transparente jaz um sentimento descrente,
findou uma história atemporal sem aparente motivo real.
Os estragos não foram visíveis, apenas a essência em ruínas ficou,
como tempestade de verão, uma grande bagunça causou.

Gotas sentidas de um olhar tristonho caíram,
encharcando a face branca escondida atrás de um véu.
Lembranças certamente ficarão latejando na memória,
pois tudo que se vive na terra deixam marcas como estrelas no céu.

Amarga  e cruel despedida quando não se sabe a razão,
nem porque os passos deixados no chão sumiram sem permissão.
O aroma que ficou no ar quase não se pode notar
e nenhuma imagem sobrou, somente flash que o coração guardou.

Lucia



sexta-feira, 16 de setembro de 2011

CEGUEIRA


Triste ser casulo e o florescer do dia perder,
viver de imaginação sem que se possa tocar,
ter consciência, mas sem coragem para voar.

Sentir o alar da borboleta livre no ar
sem poder ver as cores da sua asa a plainar
sobre lindas flores que poderiam me enfeitar.

Sonhar com o calor do sol e a brisa leve em seu acariciar,
perceber que tenho asas presas no lugar
enquanto lá fora existe um mundo decores a me esperar.

No balanço do viver apenas o escuro conhecer,
ter nas pontas dos dedos os olhos de ver,
mas sendo sempre casulo desde o amanhecer.

Lucia